quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Francisco Carlos de Castro Neves, piracicabano, jornalista e político brasileiro, ex-ministro do Trabalho.


Francisco Carlos de Castro Neves nascido em 25 de abril de 1914, filho do influente médico e político, dr. Samuel de Castro Neves. Chico Castro Neves, como era conhecido, formou-se em Direito, no Largo São Francisco, em 1914. Filiou-se ao PTB, ao final do Estado Novo (1935-45) e elegeu-se deputado estadual em 1947. Atuou como jornalista e, a pedido de Getúlio Vargas, dirigiu o jornal “A Noite”, de São Paulo, tendo participado, também, da criação do jornal “Última Hora”, no Rio, do qual foi diretor- adjunto.
Teve grande atuação política junto às esquerdas brasileiras, com destaque a seus vínculos com os paulistas Jânio Quadros e Carvalho Pinto, de cujos governos estaduais participou.
Com a eleição de Jânio Quadros à Presidência(1960), foi indicado Ministro do Trabalho em janeiro de 1961.
No ministério, foi um dos que propugnaram a favor da separação dos sindicatos da tutela estatal.

 http://www.aprovincia.com.br/memorial-piracicaba/especial/piracicabanos-e-ministros-da-republica/

Jornalista e político brasileiro, ex-ministro do Trabalho e Previdência Social do governo Jânio Quadros (31 de janeiro a 25 de agosto de 1961).

Duas vezes deputado pelo extinto PTB - São Paulo.

Foi grande articulador e ativista nos bastidores políticos junto com Francisco Morato durante a Revolução Constitucionalista de 1932.

Foi designado, posteriormente, por Vargas para dirigir o jornal A Noite de São Paulo, e mais tarde ajudou a instalar o jornal Última Hora, como diretor-adjunto.

Castro Neves faleceu dia 6 de outubro de 1974, aos 60 anos, de enfarte, em São Paulo.

(Fonte: Veja, 6 de outubro de 1974 - Edição nº 319 - DATAS - Pág; 128)
(Fonte: www4.planalto.gov.br)

Ministério do Trabalho e Previdência Social
Ministro 
Francisco Carlos de Castro Neves
Nascimento: Piracicaba-SP
Período: 31.01.1961 a 25.08.1961

Foto: Um momento histórico em 1961, formatura da Esalq: à esquerda, Hugo de Almeida Leite, que seria ministro da Agricultura no governo militar de Castelo Branco, em seguida, Roberto Carlos Arruda, presidente da Calq, o pircicabano Francisco Carlos de Caastro Neves, então ministro do governo Jânio Quadros, o Prefeito Francisco Salgot Castillon. (Acervo A Província)

Um comentário:

Tony Duarte disse...

Francisco Castro Neves, Jânio da Silva Quadros e Carvalho Pinto, são oriundos do mesmo grupo político paulista. A bem da verdade, temos aí três legítimos representantes de longa ascendência bandeirante. Paulistas de IV séculos, descendentes do Povo Guerreiro que fundou nosso estado. O ambiente bravio de Piratininga produziu essa gente valente, misto de bugre e português, que forçados pela infertilidade das terras da "baixada"(litoral) foram obrigados a se embrenhar mata adentro, escalando um hostil e íngreme "paredão" de quase mil metros de altura, enfrentando toda a sorte de perigos e desafios, tais como, índios, animais selvagens, chuvas torrenciais, lodo, lamaçal, etc.. O Paulista, de quatro séculos(agora quase cinco), é antes de mais nada um fruto da seleção natural da espécie humana, onde o indivíduo aprende a lutar e a sobreviver em determinado meio ambiente ou sucumbi. Mas não sucumbimos, com as graças dos Céus! Enfim, a montanha(serra do Mar) foi vencida, e o triunfo e glória de nossa conquista foi coroado com a fundação de nossa capital, São Paulo, coração de nosso amado Brasil! "Non Ducor Duco". Não sou conduzido, antes, conduzo. Grande abraço, aos mantenedores do blog.