segunda-feira, 23 de julho de 2012

HOMENAGEM DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL AOS "HERÓIS DE 32"



                Neste ano, a Federação Paulista de Futebol batizou uma de suas competições, a Copa Paulista, de “Heróis de 32”, em homenagem ao Jubileu de Carvalho do principal conflito armado ocorrido no país no século XX. A Revolução Constitucionalista de 1932, pouco lembrada até então, começa a ganhar forças e adentrar de vez na lembrança dos brasileiros, principalmente dos paulistas, os protagonistas deste importante evento.
            A homenagem aos Heróis de 32, além de comemorar os 80 anos do conflito, também resgata a memória dos desportistas que deixaram o esporte e engrossaram o contingente paulista. O mais famoso deles foi o jogador de futebol Arthur Friedenreich, mais conhecido como “El Tigre”, que jogava no São Paulo à época. Este futebolista abre mão até mesmo de medalhas e troféus para ajudar no financiamento da luta armada de São Paulo na revolução de 32, liderando o “Batalhão Esportivo” e chegando ao cargo de segundo tenente. Assim como Friedenreich, outros jogadores trocaram a bola pelas armas neste momento da história: Araken Patuska (jogador do Santos), Antonio Guilherme Gonçalves (ex-presidente do Santos e médico na revolução), Athiê Jorge Coury (goleiro do Santos), dentre tantos outros.
            A Copa Paulista é a segunda maior competição do estado de São Paulo, dando direito ao campeão a disputar a Copa do Brasil, juntamente com os principais times do país. Justa homenagem!

Objetos e uniforme usado por Arthur Friedenreich na Revolução de 1932

Por:  Mauricio Beraldo, historiador e funcionário do Museu Histórico e Pedagógico Prudente de Moraes

quinta-feira, 19 de julho de 2012



em Noticiário Nacional, por Galante
Governo estadual paga R$ 450 mensais a 55 ex-combatentes e cerca de 600 viúvas
Os veteranos da Revolução Constitucionalista de 1932 que dependem de pensão especial do Estado – são 55 ex-combatentes e cerca de 600 viúvas, quase todos com mais de 90 anos – afirmam passar por privações ou precisar de suas famílias para sobreviver porque recebem apenas R$ 450 mensais de pensão. Segundo eles, o governo paulista reluta em reajustar o valor.
“Essa é a demonstração da importância que nosso governo dá a esses valorosos homens, muitos dos quais foram para a batalha com menos de 18 anos, como foi o caso de meu pai”, diz a professora aposentada Neide Gumbis de Souza Belluco, filha e sobrinha de soldados voluntários. Residentes em Piracicaba, ela e a irmã sustentam a mãe, viúva, de 90 anos, pois a pensão não é suficiente nem para os remédios.
O presidente da Sociedade dos Veteranos de 1932 – MMDC, coronel Mário Fonseca Ventura, cujo pai lutou no Túnel da Mantiqueira, diz que a situação só não é pior porque muitos ex-combatentes pertenciam ao Exército ou à Força Pública (atual PM) e recebem pensões dessas corporações. Era o caso do saudoso ex-presidente da sociedade, capitão Gino Struffaldi, falecido aos 97 anos, que servia como radiotelegrafista no Forte de Itaipu, em Santos, quando as tropas federais de São Paulo apoiaram os constitucionalistas.
“Não sofremos baixas, mas a Fortaleza de Itaipu foi bombardeada pela Aviação Naval, da Marinha do Brasil, que danificou as instalações”, contava o capitão Gino. “Nossa unidade mandou quatro canhões para a frente de batalha e armou com outro canhão um trem blindado construído pelos paulistas”, acrescentava. Cada canhão saía com cinco ou seis homens, armados de fuzis, o que deixou a guarnição desfalcada.
O soldado Oswaldo Diana, de 102 anos, também não tem pensão especial porque deu baixa na Força Pública para trabalhar como técnico eletricista na indústria. “Eu me aposentei pelo INSS, mas acho que teria direito a receber a pensão, porque lutei no Vale do Paraíba e participei de três combates”, diz. Em 23 de maio de 1932, quando foram assassinados os heróis do MMDC (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo), ele estava no Quartel General, vizinho de sua unidade, o Batalhão Tobias de Aguiar.
“Aplaudimos nossos heróis no desfile de 9 de Julho, mas não reconhecemos, com essa pensão inferior ao salário mínimo regional (de até R$ 580), o mérito daqueles que lutaram nas trincheiras”, afirma o deputado estadual Sérgio Olímpio Gomes (PDT), major reformado da PM, que há quatro anos tenta convencer o Executivo a encaminhar à Assembleia Legislativa um projeto de reajuste, cuja iniciativa precisa ser do governador. O Estado não comentou as queixas.
A Sociedade dos Veteranos espera que ao menos o governo equipare a pensão ao salário mínimo. “Seria já uma conquista, embora fosse mais justo dobrar o valor atual”, afirma o coronel Ventura. Como presidente, ele sabe da angústia dos que têm de sobreviver com os R$ 450. “As viúvas são obrigadas a entrar com um processo na burocracia do Estado para comprovar a morte do marido”, diz. Segundo ele, muitas morrem antes.
FONTE: O Estado de São Paulo
http://www.forte.jor.br/2010/07/10/veteranos-de-1932-pedem-aumento-de-pensao/


domingo, 15 de julho de 2012

COMEMORAÇÃO DA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA DE 1932


Comemoração da Revolução Constitucionalista de 1932

O feriado de nove de julho, para muitos não passa de apenas um simples feriado, mas, para as famílias dos ex-combatentes, é um motivo de glória e homenagens aos seus descendentes que lutaram no passado, principalmente para os piracicabanos que partiram até os fronts de combate, para reivindicar uma nova Constituição que abranjaria todo o país.
A Revolução Constitucionalista de 1932 foi iniciada no dia 9 de julho de 1932, não foi um movimento de elite, mas foi o movimento de maior mobilização revolucionária do Brasil, com duração de oitenta e cinco dias de combates, tendo seu término em 2 de outubro do mesmo ano.
Os paulistas obtiveram ajuda do Mato Grosso contra o restante do Brasil, reivindicando uma nova constituição, pois foram os únicos que levaram a revolta adiante contra as atitudes do governo Getúlio Vargas - Presidente do Brasil no ano atual – onde as forças leais do atual presidente acabaram abrindo fogo no dia 23 de maio contra a multidão, resultando na morte de quatro jovens: Miragaia, Martins, Dráusio e Camargo.
As iniciais de seus nomes formam a sigla MMDC, que se transformou no grande símbolo da revolução, e com isso, o estopim para o seu inicio, com o apoio de toda a população do Estado de São Paulo contra o governo do Presidente Getúlio Vargas.
As tropas paulistas contavam com uma multidão, onde nem todos possuíam técnicas de guerra, mas tinham o principal; o amor à São Paulo e à necessidade de mudanças.
Nos fronts de guerra em todo o Estado de São Paulo, as tropas paulistas, contavam com 35 mil homens, enquanto as tropas federais possuíam 100 mil soldados bem equipados, utilizando inclusive, aviões para bombardear as cidades do interior paulista.
São Paulo contava com a adesão dos outros estados, porém, o poder do Presidente amedrontava os Estados, pois todos aqueles que lutassem contra Getúlio, estaria lutando contra o governo.
Mas, nem mesmo isso impediu que São Paulo lutasse por uma Nova Constituição, mesmo correndo sério risco de perder a guerra, ter que se render e sofrer consequências como prisões, cassações e deportações.
No século XX, a Revolução de 32 foi o maior confronto militar no Brasil. Apesar da derrota na luta armada de São Paulo, em 1934 a Assembleia Constituinte redigiu a Nova Constituição. 
Depois da breve volta ao tempo feita neste texto, podemos entender a homenagem feita pelo 80º aniversário da Revolução Constitucionalista de 32, neste 9 de julho (segunda-feira).
O evento organizado na praça onde existe o monumento contou com a presença dos ex-combatentes: Romeu Gomes de Oliveira, Iscar Antonio Bressan e Luiz Avelino Bortolan para a devida homenagem.

Autora:  Ana Helena Scanholato
Estagiária do Museu Prudente Histórico e Pedagógico Prudente de Moraes
Estudante de Gestão Empresarial – FATEC PIRACICABA

sábado, 14 de julho de 2012

LISTA DOS VOLUNTÁRIOS DE PIRACICABA QUE PARTICIPARAM DA REVOLUÇÃO DE 1932


LISTA DOS COMBATENTES PIRACICABANOS VIVOS E ENDEREÇOS EM 08 DE JULHO DE 1974 - SOMAVAM 82


LISTA DOS COMBATENTES PIRACICABANOS VIVOS EM 2001 - SOMAVAM 11

ROMEU GOMES DE OLIVEIRA - Avenida Dona Jane Conceição nº 1032 - bairro Paulista
JOAQUIM MORENO
ISCAR ANTONIO BRESSAN - Rua Prudente de Moraes nº 266 - bairro Centro
JOSÉ ARMANDO FURLANI
LUIZ AVELINO BORTOLAN - Rua Cristo Redentor nº 1080 - bairro Jardim Monumento
ARMANDO FERREIRA ALVES - Rua Alfredo Guedes nº 1743 - bairro Alto
ANTONIETTA MAROZZE RIGHETTO -  Rua Dr. Alvim nº 883
WALTER RADAMÉS ACCORSI
MIGUEL MELCHIADES SENDIN
SEBASTIÃO FIRMINO DE ARRUDA
JACQUES DE ANDRADE


LISTA DE COMBATENTES PIRACICABANOS VIVOS EM 2012 - SOMAM 3

ROMEU GOMES DE OLIVEIRA
ISCAR ANTONIO BRESSAN
LUIZ AVELINO BORTOLAN - 98 anos de idade




















quinta-feira, 12 de julho de 2012

PUBLICAÇÕES REFERENTES AO NÚCLEO MMDC DE PIRACICABA NO JORNAL 32 EM MOVIMENTO


















DAS NOTÍCIAS DO NÚCLEO MMDC DE PIRACICABA NOS JORNAIS LOCAL













Abaixo, Blogs e Sites com matérias do Núcleo MMDC de Piracicaba:

http://www.aprovincia.com/padrao.aspx?conteudo.aspx?idContent=1144211






quarta-feira, 11 de julho de 2012

DA ENTREGA DO DIPLOMA DO NÚCLEO MMDC DE PIRACICABA ÀS PERSONALIDADES

Da esquerda para à direita sentados: Pedro Salgado Filho, filho de ex-combatente, Edson Rontani Jr (Vice-Presidente do MMDC Piracicaba), combatentes Romeu Gomes de Oliveira, Luiz Avelino, Iscar Antonio Bressan e Egydio João Tisiani (Presidente do Núcleo MMDC de Piracicaba).

Edson e Egydio

Egydio aguarda a chegada dos Diplomas para serem entregues às personalidades presentes.

Egydio entrega Diploma do Núcleo MMDC de Piracicaba ao Presidente da Câmara Sr. João Manoel dos Santos.

Egydio entrega o Diploma a Presidente da Secretaria Municipal de Ação Cultural Sra. Rosângela Camolese.

Os agraciados, da esquerda para à direita: João Manoel dos Santos, Rosângela Camolese que representou o Sr. Eduardo Ferreira Grosso - presidente do CEDHU, Sr. Gabriel Zanin representando o emérito jornalista e escritor Cecílio Elias Netto e Capitão da Polícia Militar do Estado de São Paulo Willians de Cerqueira Leite Martins.

Os agraciados, da esquerda para à direita: Anna Thereza Prado de Almeida Carvalho - emérita colaboradora, Prof. Moacir Nazareno Monteiro, Dr. Vitor Egydio Bicudo Tisiani representando o Presidente da Sociedade dos Veteranos de 32 - MMDC Sr. Cel Mário Fonseca Ventura, Marcelo Acrani representando o fundador dos Núcleos MMDC Interioranos Prof. Fatec Jefferson Biajone.

Os agraciados, da esquerda para à direita: Diretora do Museu H. P. Prudente de Moraes Maria Antonieta Sachs Mendes, Sra. Maria Helena Helena Toledo Silveira Melo - emérita colaboradora do Núcleo e filha do combatente Joaquim Norberto de Toledo Filho, Prof. Dr. em Administração João Francisco de Aguiar - emérito colaborador e filho de um dos heróis-combatentes de 32 Sr. Sebastião de Azevedo Aguiar e Sra. Ivete D'Abronzo representando a Sra. Judith Meira Barros Sampaio - emérita colaboradora da causa revolucionária em Piracicaba.

Poeta piracicabano Esio Antonio Pezatto declama em homenagem aos três remanescentes da Revolução de 1932.

Diploma de Honra ao Mérito Capitão João Rodrigues Gonçalves do Núcleo MMDC de Piracicaba