segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

32, a GUERRA CIVIL

'32, a Guerra Civil' é um Documentário sobre a Revolução constitucionalista de 1932, produzido por Cláudio Kahns e dirigido por Eduardo Escorel. Contém gravações radiofônicas.


Conheça a história da Revolução Constitucionalista de 1932
Fonte: Vídeo "32, a guerra civil" do YOUTUBE



quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

DA PREMIAÇÃO DOS PRESIDENTES DOS NÚCLEOS DE CORRESPONDÊNCIA COM O COLAR DA VITÓRIA DA SOCIEDADE DOS VETERANOS DE 32-MMDC



Venho com todo o respeito diante da presença de todos para cientificá-los de que fui agraciado com a mais recente honraria criada pela Sociedade dos Veteranos de 32-MMDC em comemoração aos 80 anos da Revolução Constitucionalista bem como os demais Presidentes dos Núcleos de Correspondência.

Nosso atuante amigo e fundador da modalidade dos nossos núcleos Prof. JEFFERSON BIAJONE havia me prometido no início do corrente ano que lutaria com todas suas forças para que fôssemos premiados com esta distinta honraria e cumpriu mais uma vez sua palavra contando com o beneplácito de nosso ínclito Presidente Cel PM MÁRIO FONSECA FONSECA.

Pronuncio aqui todo o meu agradecimento ao Prof. BIAJONE também o fazendo à cúpula da Sociedade pelo reconhecimento do nosso árduo, porém, digno trabalho de pesquisa e divulgação em prol do conhecimento e perpetuação pública da inesquecível Epopeia de 32 dos feitos heroicos dos valorosos combatentes paulistas que se deve ao fato de que "A criação da modalidade NC é extraordinária e revolucionária no seio da nossa Sociedade e conseguimos reunir as pessoas ideais para serem seus dirigentes - uma verdadeira bênção de Deus - membros capazes, sérios, disciplinados, animados, amigos e principalmente comprometidos com a causa constitucionalista.
O segredo desta união que está perfeita, em que não podemos jamais perder uma peça sequer e, com o BIAJONE, e o nosso competente, amigo e visionário Presidente Cel VENTURA, pelo contato direto que ambos mantém com o nosso pessoal e a confiança que transmitem.

Estou profundamente feliz e honrado por ter recebido nesta data, na Sede da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, o “COLAR DA VITÓRIA”, comenda esta HISTÓRICA, pois, só se completa 80 anos (jubileu de Carvalho da Revolução Constitucionalista) uma vez na vida; todos os oficiais e praças das FFAA (Forças Armadas) bem como tantas outras autoridades constituídas estão cobiçando intensamente obter esta honraria, e tivemos o privilégio de conquistá-la, motivo de muito orgulho para todos nós valentes voluntários e amantes das tradições da nossa terra paulista.

Muito obrigado a todos.
Egydio João Tisiani – NC MMDC de Piracicaba



Ofício Outorga da Sociedade MMDC do COLAR DA VITÓRIA

Diploma do Colar da Vitória (anverso)

Diploma do Colar da Vitória (reverso)

DO COLAR DA VITÓRIA
COLAR DA VITÓRIA completo aprovado pelo Decreto nº 58.071, de 24 de maio de 2012

Nota: Nesta oportunidade devido motivo de força maior estive representado na solenidade pela minha filha Lilian Helena Tisiani Acrani com o comparecimento também da minha esposa Helena B. Tisiani e meu neto Gustavo Tisiani Acrani.

Almoço de confraternização na Associação dos Oficias Militares da Polícia Militar do Estado de São Paulo: a direita da foto em 1º plano meu neto Gustavo, a seguir minha esposa Helena e minha filha Lílian


Minha filha Lílian recebendo o Colar da Vitória das mãos do DD. Presidente Coronel Ventura na Sede da Sociedade dos Veteranos de 32-MMDC

Foto dos Presidentes dos Núcleos de Correspondência agraciados com o Colar da Vitória
Da esquerda para à direita: Prof. Dr. João Francisco de Aguiar - Núcleo de São Pedro; Sr. Silvio Luiz da Rocha - Núcleo de Santo André; Prof. Jefferson Biajone - fundador desta modalidade dos Núcleos/Itapetininga; Coronel PM Mário Fonseca Ventura - Presidente da Sociedade dos Veteranos de 32/MMDC; logo atrás dele o Sargento PM George Trajano - mestre de cerimônias da Sociedade; Dra. Maria Lúcia de Camargo - Diretora Social; Profa. Maria Helena Toledo Silveira Melo - Núcleo de Jaguariúna; Sr. Amado Rúbio - Comandante do Exército Constitucionalista; 1º Tenente PM Carlos Henrique Lorenço Rovina - Núcleo de Araçatuba; 1º Tenente Dentista PM Vitor José Bazzo - Núcleo de Presidente Prudente e Capitão PM Eduardo Ceneviva Berardo - Núcleo de Catanduva 

Concessão do Colar evocativo dos 80 anos da Revolução de 1932

Publicado em 11/12/2012
Discurso do prof. Biajone, presidente do 1º Núcleo de Correspondência PAULISTAS DE ITAPETININGA! AS ARMAS!! em agradecimento à concessão do COLAR DA VITÓRIA aos presidentes dos núcleos de correspondência de ARAÇATUBA, CATANDUVA, ITAPETININGA, JAGUARIÚNA, PIRACICABA E PRESIDENTE PRUDENTE na sede da Sociedade dos Veteranos de 32/MMDC (Capital/SP) em solenidade ocorrida no dia 11 de dezembro de 2012.



quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

DR. NELSON MEIRELLES - CHEFE DO CORPO MÉDICO PIRACICABANO NA REVOLUÇÃO DE 1932


Doutor Nelson Meirelles


Fonte: “Medicina em Piracicaba (Contribuição à sua história)”, de Oswaldo Cambiaghi – 1984

    Nasceu em Santa Rita do Passo Quatro (SP) em 17 de março de 1904.
Cursou o Grupo escolar “Sud Mennucci”, de Porto Ferreira; o Colégio “Brasil”, de Ouro Fino (MG); e o Ginásio “Culto à Ciência”, de Campinas.
    Formou-se primeiramente em Farmácia, em 1922; depois Medicina, em 1930, pela Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro.



     Em 1932 iniciou sua vida profissional em Piracicaba, em 1932, onde se radicou definitivamente, instalando seu consultório.
    Em 14 de maio de 1935 casou-se com Maria Oliva Morato Ferraz Meirelles, de tradicional família piracicabana, filha de Dr. Coriolano Ferraz do Amaral.
    A vida de Dr. Nelson estava intimamente ligada à Santa Casa de Piracicaba. Trabalhou, inicialmente, como auxiliar de laboratório; passou a integrar o Corpo Clínico em fevereiro de 1934; exerceu ainda funções de chefe de enfermarias; diretor-clínico e, finalmente, provedor, em 1946, cargo que ocupou durante 17 anos consecutivos.
    Fez ampliações e adaptações, ergueu novas construções, inaugurações – inclusive do banco de Sangue. Criou o cargo de médico interno e anestesista, e o serviço de atendimento noturno. Entre outras várias ações.
Cogitou a construção de uma nova Maternidade. A inauguração deu-se em 12 de junho de 1954, com grandes festividades.
    Outra grande realização do Dr. Nelson consistiu na construção do Centro Cirúrgico, em 21 de abril de 1957.
   Dr. Nelson Meirelles incentivou ainda a construção do Pavilhão “Catarina Ometto”, destinado à Clínica Psiquiátrica, comportando 50 leitos, sob chefia do Dr. José Leny Jardim, inaugurado em 4 de junho de 1956.
    Como médico abalisado e cidadão prestativo, deixou extensa folha de serviços.
 A Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba empreendia, através de sua irmandade e do seu provedor, Dr. Nelson Meirelles, a instalação de uma clínica psiquiátrica, construindo o Pavilhão Catarina Ometto.  A inauguração correu dia 3 de junho de 1956. Para o cargo de diretor foi convidado Dr. José Leny Jardim. 

Considerando que, natural de Santa Rita do Passa Quatro, o Doutor Nelson Meireles, formou-se em farmácia em 1922 e em medicina em 1930 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde trabalhou até 1932, quando retornou a Piracicaba. Em 1934 passou a integrar o Corpo Clínico da Santa Casa de Piracicaba e mais tarde elegeu-se diretor clínico da Irmandade. Se consagrou provedor em 1946, cargo que ocupou por 17 anos seguidos, até 1963. À frente da Mesa administrativa inaugurou o sistema de PABX, o pavilhão de isolamento, o banco de sangue e o serviço de atendimento noturno. Em sua gestão foram criados os cargos de médico interno e de anestesista. Promoveu também a construção da sala de ortopedia e traumatologia, construiu a maternidade MB na década de 50, e modernizou o centro cirúrgico. Doutor Nelson Meireles nasceu em 1904 e faleceu em 1978, vítima de enfarto fulminante;
Dr. Nelson Meirelles, um médico muito bem conceituado em Piracicaba, e que foi muito ligado à cultura da cidade, tendo sido um dos grandes apoiadores da Escola de Música de Piracicaba sua esposa Maria Olívia Moratto Ferraz Meirelles (Levica), gostava de piano, uma admiração que se estendeu às suas sobrinhas, que também executavam obras de piano. O casal Nelson e Maria Olívia tiveram sete filhos.

O Dr. Nelson Meirelles foi o Chefe do Corpo Clínico durante a Revolução de 1932 com a presença dos doutores Caio Leitão, Luiz Gonzaga de Campos Toledo (Dr. Lula), Zeferino Bacchi, José Rodrigues de Almeida e Darwin A. Viegas.


Dr. Nelson Meirelles e Corpo de Enfermeiras Piracicabanas durante a Revolução de 1932

O Corpo de Enfermeiras: Nair de Toledo e Silva, Adelina de Toledo e Silva, Ambrosina de Campos Toledo, Etelvina Silveira Pedreira, Mirtes Silveira Pedreira, Mirtes Soares Arruda, Luiza Pinto dos Santos, Nelly Abrahão, Julia Calil, Maria José Prates, Lourdes Godinho, Augusta Bragaia, Maria Izabel Machado Cezar, Benedicta Dias Barros e Miguel Salomão

Dentistas: João Dias de Aguiar e José de Toledo Noronha

Farmacêuticos: Pedro Alcântara Chagas, Antonio Oswaldo Ferraz e Morel Rodrigues dos Santos.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A REVOLUÇÃO EM PIRACICABA "POR SÃO PAULO UNIDO" de Antonio de Morais Sampaio









Os escritos, aqui reunidos, foram publicados nos seguintes jornais de Piracicaba:

Os de 1930 - No Diário da Manhã.
Os de 1932 - No Jornal de Piracicaba, folha dirigida pelo sr. Leandro Guerrini.
Os de 1933 - No Jornal de Piracicaba, que fez a propaganda da chapa de São Paulo, e no Momento - restos do Diário da Manhã>> sob a direção do Dr. Dario Brasil.
Há também algumas notícias enviadas da Frente, e no Estado publicadas.
                                                                                 A. MORAIS SAMPAIO


quinta-feira, 22 de novembro de 2012

NOTA DE FALECIMENTO DE HERNÂNI DONATO BRAVA PENA DE 32

CARÍSSIMOS PRESIDENTES e PRESIDENTAS DE NC

Incumbiu-me por motivo próprio e senso de dever cívico comunicar-vos do falecimento do Sr. Dr. HERNANI DONATO, um dos maiores autores da saga constitucionalista da historiografia brasileira.

Pessoa por demais querida de nossos veteranos de 32 e de nossa Sociedade. Entre os seus livros de leitura obrigatória do pesquisador de 32 ressalta-se o A REVOLUÇÃO DE 32.


Vídeo sobre HERNANI em


ARMAS EM FUNERAL!

Concito-os a anunciarem em vossos blogs o falecimento desse bravo da pena que como bem poucos soube compreender o real significado da epopéia de 32.

Att. e grato
prof. BIAJONE
Nov 22, 2012

PS: segue original da mensagem enviada pela Sociedade noticiando este tristíssimo fato

A Sociedade Veteranos de 32-MMDC comunica com pesar o falecimento do Dr. HERNANI DONATO nesta data.
O velório será entre 16 h às 20h, de hoje, na Academia Paulista de Letras e o sepultamento no dia 23 de novembro às 10h no Cemitério Gethsemani.

Sociedade Veteranos de 32-MMDC
Rua Anita Garibaldi, 25
Centro - SP - CEP 01018-020
11 3105-8541

sábado, 17 de novembro de 2012

JUDITH MEIRA BARROS MATTOS e a sua dedicação para a perpetuação da Epopéia Constitucionalista de 1932 em Piracicaba


Judith Meira Barros Mattos
   
   Judith Meira Mattos teve uma vida toda dedicada à causa constitucionalista. Seu irmão, ao ser voluntário, faleceu durante os combates da Revolução Constitucionalista de 1932. Seu marido presidiu o Núcleo MMDC de Piracicaba por mais de 20 anos. A mesma, dirigiu o Núcleo de 2001 a 2009 e, com o avançar da idade, dedicou-se mais à vida familiar.
   Judith nasceu em 11 de abril de 1921 em Piracicaba (São Paulo). É filha de Josué Meira Barros e Bianca Buldrini de Barros. Era descendente de avós italianos que buscaram no Brasil um espaço para o crescimento profissional na virada do século 19 para o século 20.
   Estudou no Colégio Piracicabano em 1939 e casou-se neste mesmo ano, em 24 de maço, com Manoel Sampaio de Mattos. Teve os filhos : Raul Carlos Sampaio Mattos (professor e advogado), Manoel Sampaio Mattos Filho (professor e engenheiro civil) e Peter Alexander Mattos.
   Era irmã de Romeu, Julieta, Natal, Ivone, Luiz e Octávio. Natal fugiu da casa dos pais em 1932 e se alistou como voluntário, aos 17 anos, em São Paulo, falecendo no final de agosto devido a um tiro que recebeu no pescoço em Cruzeiro, divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro.
   Judith foi professora e nos anos de 1940 partiu para Araras onde residiu por alguns anos. Seu marido, Manoel Sampaio Mattos dirigiu o Núcleo MMDC em Piracicaba de 1969 a 2001, quando faleceu. Era funcionário público lotado na Secretaria Estadual de Agricultura, trabalhando até sua aposentadoria no CATI, onde ingressou após estudar por três anos na ESALQ/USP. 

2. Parte do seu acervo documentais da Revolução de 32:

Fotocópia Oferta do Diário de Piracicaba aos ex-combatentes piracicabanos edição de 09-07-1962 do Cartaz composição do ARTISTA PIRACICABANO Antonio Pádua Dutra em 09-07-1932

O mesmo cartaz acima agora com sua reprodução colorida e com a assinatura do autor artista piracicabano Antonio Pádua Dutra  atrás do cantil e acima da bandeira paulista "A. DUTRA" de 09-07-1932 com o carimbo e assinatura do Chefe de Propaganda do MMDC que consta: "Fornecido à família do Voluntário.....; Departamento de.......; Alistamento Geral, Propaganda e Informações"


Flâmula que recebeu do Rotary Club em comemoração aos 50 anos da Revolução

Flâmula que recebeu do Japão comemorativa ao Cinquentenário da Revolução Constitucionalista

Capa da Marcha da Liga da Defesa Paulista

Capa do Hino Heróis do Túnel

Capa do Hino Anhanguera Versos de Menotti Del Picchia

Hino das Tropas Constitucionalistas Poesia de Fagundes Varella

Capa da Marcha-Canção Ilha das Flores

Cópia da Carta do último apelo de Santos Dumont pelo Regime Legal pouco antes do seu suicídio

Manifesto de Arthur Bernardes à Nação em julho de 1932

Manifesto distribuído à Força Pública do Estado de São Paulo à Redenção por Amador Bueno

Comunicado ao Povo Carioca de 13-07-1932

Homenagem à Mocidade de São Paulo dos Combatentes de BURI

Apelo do então Coronel Taborda à Mocidade Paulista em 01-10-1932

Comunicado da Visita dos Representantes Paulistas ao Presídio Militar da Ilha Grande e o entusiasmo dos prisioneiros paulistas em 21-08-1932

Boletim da Campanha do Ouro para o Bem de São Paulo em Pontal de 27-08-1932

Mensagem do então 1º Sargento Eduardo Silva Filho da 1ª Companhia do Batalhão BAHIA para um Brasil Constituído

parte 1
parte 2
parte 3
parte 4
Da Reforma do Coronel Azarias Comandante do Regimento de Cavalaria e a censura imposta à sua publicação em 20-11-1932

página 01
página 02
página 03
página 04
página 05
página 06
Diário que ilustra a participação da Força Pública do Estado de São Paulo na Revolução de 32

Manual de Campanha do Voluntário Constitucionalista -S.Paulo agosto de 1932

Jornal Piracicabano O Momento da época edição de 30-08-1932 em que, acima, relata a Última Carta de Natal Meira Barros morto heroicamente em combate em Silveiras e, mais abaixo, o Navio francês "Duque de Saxe" se nega a entregar material bélico aos federais no Rio para ser usado contra São Paulo e retorna para Havre

Jornal piracicabano O Momento edição de 02-09-1932 ensejando o Convite de Missa de 7º dia da morte do combatente Natal Meira Barros e mais abaixo a escalação para o serviço do Tiro de Guerra 542 de 02 e 03 de setembro de 1932

Estatuto da Sociedade dos Veteranos de 32-MMDC de 05 de março de 1976 de propriedade do Sr. Manoel Sampaio Mattos, esposo de D. Judith, que foi o presidente do MMDC Piracicaba de 1969 a 24/01/2001 data do seu falecimento


Menção Honrosa datada de 09-07-2003 da Comissão de Raça Etnia e Igualdade conferida à dona Judith Meira Barros Mattos pela concessão dos despojos do Pracinha Francisco Honório de Souza trasladado do município de Cruzeiro para o Mausoléu no Cemitério da Saudade de Piracicaba morto em combate na Revolução de 32.



Em 26 de janeiro de 2012 23:46, EGYDIO JOAO TISIANI escreveu:


Prezado Cel VENTURA

Permita-me narrar-lhe um fato interessante e simplesmente emocionante que me aconteceu hoje a tarde:

Fui em companhia do amigo e notável jornalista Edson Rontani Jr. até a casa da sua tia-avó para elaborar um trabalho sobre o combatente Natal Meira de Barros, seu irmão, morto em combate aos 17 anos de idade em Cruzeiro e lá chegando conheci a Sra. Judite Meira Barros Sampaio de 91 anos, a quem fui apresentado.

E, conversando, soube que a dona Judite é esposa do Sr. Manoel Sampaio Mattos que foi presidente do MMDC aqui em Piracicaba por 32 anos de 1969 até 24/01/2001 quando do seu falecimento. O casal era sempre visitado pelo Cel PM Fernandez desde o ano de 1979.

Dona Judite é uma senhora forte, lúcida, disposta, jovial e disse-me que era a anfitriã quando da visita do pessoal da Sociedade à Piracicaba bem como tomava todas as iniciativas para a organização dos eventos cívicos relativos à Revolução de 32.

Ela é uma pessoa esclarecida, uma verdadeira enciclopédia sobre aquela epopeia cívica, sabe tantos detalhes com uma memória prodigiosa, tem o livro "Cruzes Paulistas", várias edições dos jornais de 1932 narrando sobre os acontecimentos, cartas enviadas do seu irmão Natal do front de batalha dirigidas à sua mãe, tudo original e bem conservado envolvidos por plásticos, material este que guarda com muito carinho.

Ela tem o convite do Gal Euclydes Figueiredo para almoço com a família em São Paulo, uma placa original que recebeu do governo da Itália com a inscrição "Desta Casa partiu o Soldado da Lei", a relação com o nome de todos os combatentes do Batalhão piracicabano, esfinges da revolução, enfim, um farto material que vi guardado em seu quarto.

Disse-me que só deixou de estar na dianteira do MMDC local desde 2001, pois, com a morte do marido, não tinha mais ninguém para conduzi-la de automóvel visto que já tinha certa idade para se locomover a pé.

Perguntei-lhe em tom de brincadeira se ela quer estar a frente novamente do MMDC, agora, na condição de presidente(a) do Núcleo de Correspondência de Piracicaba, levou a sério e respondeu-me que sim, com prazer e continuou pedindo-me para que eu lhe criasse um blog, pois, ela mesma quer postar todas as matérias que tem em mãos para publicá-las.

Disse-me, ainda, se eu conduzi-la de carro aos eventos da Sociedade ela faz questão de participar de todos, inclusive em São Paulo.

Foi uma visita edificante, simplesmente emocionante e inacreditável - só vendo para crer!

Convido-lhe, ilustre Cel VENTURA, para que façamos uma visita a esta notável senhora, o senhor irá se surpreender com tanta cultura, sabedoria, dinamismo e ao mesmo tempo uma pessoa tão singela vivendo numa casa bem simples. Apesar de não ter participado ativamente da Revolução de 32 é o que podemos chamar de uma verdadeira heroína constitucionalista pelos seus testemunhos, participações e feitos dedicados àquela causa através dos tempos. Nos meus 57 anos de vida nunca conheci alguém tão exemplar.

Em anexo, a biografia que consegui junto à dona Judite sobre o seu irmão Natal bem como fotos da visita.

Grato por permitir-me expor-lhe o conteúdo acima e receba o meu efusivo abraço.

EGYDIO

e-mail de dona Judite: judimattos@gmail.com



CARÍSSIMO EGYDIO

Fiquei simplesmente comovido com os dados que você está me encaminhando acerca de dona JUDITE.

Leve a ela o meu abraço carinhoso e diga que as portas da Sociedade estão abertas para ela.

Gostaria que você entrasse em contato com os familiares de dona JUDITE e a convidasse para ser homenageada na Sociedade, numa das reuniões da COFAM.

Essas reuniões sempre acontecem no terceiro sábado de cada mês (em fevereiro, excepcionalmente, por causa do carnaval, será no dia 11).

Mas PIRACICABA poderia muito bem homenagear essa pessoa extraordinária, talvez na Câmara Municipal, em data que também comemorasse os 80 anos da Revolução Constitucionalista de 32.

Você tem condições de mandar-me o currículo dela?.

Precisamos estudar a melhor maneira de homenageá-la.

Ocorre-me a idéia de se criar uma Medalha Municipalista para perpetuar o espírito de 32 nessa cidade.

Poderia partir do próprio Núcleo de Correspondência

CORONEL PM MARIO FONSECA VENTURA
PRESIDENTE DA SOCIEDADE DOS VETERANOS DE 32-MMDC



judith meira barros                 em 2 de nov 2012
para mim:

Agradecimentos de uma lutadora de coração e alma, que passa despercebida, por muitos que não tenham altura para me ver, sou quase anônima, para muitos, mas vejo tudo que fazem pelo meu glorioso SÃO PAULO, como o senhor o fez por um ano tudo que é feito com perfeição passa rápido e foi o que aconteceu com sua presidência pelo M M D C...poderão vir outros...como eu acompanho esta causa por muitos anos e com muito amor vejo tudo com antecedência...sinto muito a sua saída mas sei que seu coração continuará batendo como um grande PRESIDENTE oculto.
Renovo aqui minha gratidão e de meus familiares e tenho orgulho de ser sua irmã de armas.
Judith


EGYDIO JOÃO TISIANI                  2 de NOV
para judith

Caríssima irmã de armas JUDITH MEIRA BARROS MATTOS

Grato pelas suas palavras e pode crer que a tenho como uma verdadeira guerreira constitucionalista estimada e respeitada por todos que cultuam a Epopéia de 32 e participo-lhe de que sempre será a nossa PRESIDENTE DE HONRA DO NÚCLEO MMDC VOLUNTÁRIOS PAULISTAS DE PIRACICABA pelo reconhecimento aos seus inestimáveis trabalhos em prol do Movimento.

Enorme abraço fraternal e que DEUS lhe abençoe.
Egydio 

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Solicito mui respeitosamente a todos meus amigos dedicados ou simpatizantes à causa constitucionalista bem como aos meus irmãos membros dos Núcleos de Correspondência da Sociedade dos Veteranos de 32-MMDC que, se puderem, contatem a dona JUDITH para conversas proferindo-lhe merecidos elogios, cuja biografia foi por nós do Núcleo MMDC de Piracicaba editada e apresentada acima, que com seus 91 para 92 anos de idade ainda respira e vive todo o legado da Revolução de 1932.
Em relação ao exposto (e muitos documentos acredito ser desconhecido da maioria dos leitores) é tão somente uma pequena referência que fizemos a ela porém dona JUDITH é muito mais que o apresentado, é uma verdadeira "Lady do Movimento Constitucionalista", além do grande acervo que dispõe em sua casa, já fez inúmeros trabalhos literários para o MMDC local na época em que seu marido e ela eram Presidentes como a confecção das 2 listas de todos os voluntários piracicabanos em ordem alfabética, trabalho este exaustivamente elaborado por ela e datilografado, sendo uma doada por ela ao Museu H. P. Prudente de Moraes e outra à Câmara Municipal no início dos anos 80 (infelizmente hoje perdida), fez várias outras doações ao museu local como flâmulas, estatueta do Soldado Constitucionalista, fotos, medalhas da Revolução de 32, etc.
Seu saudoso esposo já foi premiado com diversos diplomas e medalhas conferidos pela Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo que dona JUDITH guarda com muito carinho e nós do Núcleo de Correspondência Voluntários de Piracicaba já a agraciamos por 2 vezes, no período de um ano, com o Diploma de Honra ao Mérito Capitão João Rodrigues Gonçalves e o do Combatente Natal Meira Barros.
Creio que está mais do que na hora de ser conferido algum Diploma e Medalha da Sociedade dos Veteranos de 32-MMDC a esta nobre guerreira por tudo o que representa e realizou à nobre causa; ao contrário de muitas pessoas que já foram galardoadas por medalhas e que pouco ou nada fizeram para a divulgação dos feitos dos nossos heróis combatentes de 32, esta ilustre senhora é que realmente faz jus às honrarias da nossa emérita Sociedade, apesar de, no momento, com um grave problema em seu joelho direito que a impede de caminhar naturalmente o fazendo com muita dificuldade saindo bem pouco da sua residência.

e-mail contato com d. Judith:    judimattos@gmail.com

Obrigado a todos e os nossos efusivos parabéns à Dona JUDITH.
Egydio João Tisiani (Conselheiro do NC MMDC de Piracicaba)/ Diretoria do NCVPP

Piracicaba, 17 de novembro de 2012.